O paciente na UTI


A UTI é um ambiente diferenciado que visa a manutenção da vida e recuperação da saúde de pessoas que necessitam de um acompanhamento mais intensivo do seu estado de doença. Tem uma série de recursos tecnológicos, muitos aparelhos ligados ao paciente, os exames de laboratório são frequentes e a avaliação clínica é constante. A equipe de saúde está próxima e sempre alerta para qualquer necessidade. Sempre tem médico e enfermeiro de plantão. A quantidade de técnicos de enfermagem é suficiente para que o paciente seja atendido adequadamente, além dos profissionais de fisioterapia, nutrição, psicologia e assistente social. Por segurança as grades das camas ficam elevadas e os pacientes geralmente com as mãos presas, o que é importante para evitar que se machuquem.





SALA DE ESPERA:
Enquanto se aguarda a vez para entrar na UTI, os visitantes devem permanecer na sala destinada a visitas. O número de visitantes é limitado, visando a prevenção de transmissão de microrganismos e tranquilidade necessária ao reestabelecimento do paciente; contudo é de grande importância para a pessoa internada, de modo a não perder o contato familiar, ter notícias das coisas que o são importantes, receber carinho e apoio que geram conforto físico e emocional.

LAVAGEM DAS MÃOS:
Antes de entrar na UTI, todo visitante tem de lavar as mãos com água e sabão em abundância. Pode também passar álcool a 70% na entrada do box /quarto  a ser visitado. Essa limpeza das mãos deve ser repetida na saída, depois da visita, evitando a transmissão de microrganismos nocivos para fora da UTI.

O PACIENTE:
O paciente pode estar com a fisionomia diferente. Pode estar inchado, com tubos fixados em seu rosto e corpo. Estará deitado em uma cama com aparelhos ligados a fios. Você pode segurar as mãos e conversar com ele mesmo que ele esteja aparentemente dormindo e não conseguir responder. Todos os pertences do paciente devem ficar em posse dos familiares, o não uso de roupas tem por finalidade melhorar a avaliação, facilitar o manuseio e permitir o atendimento de intercorrências e das necessidades do paciente.

SORO:
Você provavelmente vai encontrar o paciente ligado a muitos soros. São diferentes medicamentos, controlados por aparelhos (bombas de infusão) e levados até o organismo através de vasos sanguíneos que podem ser do braço, perna, pescoço ou tórax. As “bombas de infusão” não devem ser tocadas, apenas a equipe de enfermagem. Elas podem fazer um bip sonoro de alarme, mas a enfermagem atenderá.

VENTILADOR MECÂNICO:
Muitas vezes, quando a pessoa está na UTI, ela faz uso de um aparelho para respirar. Isso acontece quando faz uma cirurgia grande, quando sofre um acidente ou quando não tem forças para respirar sozinho. Esse aparelho é chamado de Ventilador Mecânico, ele fica ao lado da cama, ligado diretamente aos pulmões do paciente através de um tubo inserido na boca (tubo orotraqueal) ou no pescoço (traqueostomia). O ventilador controla a quantidade e a qualidade do ar que entra e que sai dos pulmões. Com esse tubo, o paciente não consegue falar e por algum tempo fica sem comer ou beber pela boca. É comum o ventilador disparar um alarme característico (até mesmo com tosse ou agitação do paciente), sendo necessários ajustes pela equipe. Quando o paciente volta a respirar normalmente, o tubo é retirado e ele passa a usar uma máscara ou um cateter com oxigênio. A voz volta gradativamente e a alimentação é reiniciada por via oral.

ALIMENTAÇÃO:
Dificilmente o paciente fica sem receber alimentação, quando a pessoa não pode ingerir alimentos pela boca, ela pode estar recebendo por com um tubo que passa pelo nariz e vai até o estômago ou  até o intestino delgado. Esse tubo chama-se Sonda Gátrica ou Sonda Enteral. As dietas e a quantidade dada para cada paciente é monitorada pelo serviço de nutrição, sua fórmula é líquida e contém muitos nutrientes necessários para atender as necessidades do organismo. Algumas vitaminas são administradas junto com os soros. Pode acontecer de o paciente referir fome, mesmo recebendo alimentação pela sonda, devido à falta que sente de realizar a mastigação e sentir o gosto da comida. Outras vezes a sonda nasogástrica serve para remover líquidos do estômago, diminuindo o risco de ele vomitar.

MONITOR:
Um aparelho semelhante a uma TV que fica ao lado e acima do paciente é chamado de monitor cardíaco. Esse monitor fornece informações à equipe de saúde sobre as condições do coração, respiração e pressão arterial. O monitor tem fios que se ligam a diversas partes do corpo do paciente – normalmente ao tórax, braço e dedos. Esse aparelho tem uma série de números e traços que podem mudar a cada minuto. A equipe está treinada para entender esses números e traçados, passando a saber como estão as condições do paciente. Quando o aparelho capta alguma informação não desejada, por movimento ou algum fio que se solta, dispara um alarme que serve para alertar a equipe.

SONDA PARA URINAR:
Pacientes internados em UTIs podem ter necessidade de um controle mais rigoroso dos líquidos que entram e que saem do seu corpo. Para controlar a quantidade de urina, normalmente é colocado um tubo chamado de Sonda Vesical ou Sonda Foley. Esse tubo leva a urina da bexiga até uma bolsa que fica ao lado da cama do paciente. A enfermagem tira e mede a quantidade de urina várias vezes ao dia. O paciente fica sempre sequinho, evitando assaduras e/ou lesões na pele.
Outras sondas, bolsas e/ou drenos também podem ser encontrados em situações de pós-operatório.